©2019 por Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo

Centro Cultural e Museus

Dote de casamento à Joaquim José Teixeira Leite, a Chácara situava-se nos arredores da cidade. A casa térrea, singela, foi ampliada pelo capitalista e comissário de café, pai de Francisca Bernardina e Eufrásia Teixeira Leite. Órfãs, elas foram para a Europa onde fizeram fortuna no mercado financeiro. Em seu testamento, Eufrásia exigiu a preservação da casa e de seu acervo composto de mobiliário, louças, quadros, biblioteca e de significativa coleção de indumentária feminina, inclusive com peças da Maison Worth. Em 1952, foi tombada pelo IPHAN e, em 1968, tornou-se efetivamente museu, hoje administrado pelo IBRAM - Instituto Brasileiro de Museus.

Visitação:

Casa
De terça-feira a sexta-feira das 10h às 17h.
Sábados, domingos e feriados das 13h às 17h.

As visitas são mediadas e ocorrem a cada meia hora, com grupos de no máximo 10
pessoas. Destacamos ainda que a última visita à Casa será feita até às 16h30.

Chácara
De segunda-feira a sexta-feira das 10h às 17h.
Sábados, domingos e feriados das 13h às 17h.

Visitação livre
Os portões fecham às 16h30, mas os visitantes que já estiverem no Museu
poderão permanecer até às 17h.

Local: R. Dr. Fernandes Junior, 160 – Centro

Já visitou esse charmoso casarão bem em frente à Praça Barão de Campo Belo em Vassouras? Construído em 1845, ele foi a casa de algumas personalidades da história vassourense. Foi também sede de clubes e colégios. Passou por uma revitalização em 2018 por iniciativa da empresária Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza. Lucinha nasceu ali. Depois da reforma o espaço passou a se chamar Centro Cultural Cazuza. Ali estão expostos peças de roupas, fotos e até uma escrivaninha que o artista usou na infância. O prédio abriga também exposições e diversas atrações artísticas.

Visitação: De segunda à sexta de 09 às 12h e de 13 às 17h. Sábado de 09 às 16h e domingo de 09 às 14h.

Local: Rua Custódio Guimarães, 65. Centro - Vassouras/RJ

Construído na década de 70 do século passado, pelo arquiteto João Francisco Sombra de Albuquerque, para ser a residência do general Severino Sombra de Albuquerque, o imóvel apresenta características arquitetônicas modernas e um terreno privilegiado, que abrange uma área de 5.646,00 m2, cercado por árvores frutíferas e ornamentais e, por uma pedreira com água de mina.

Em 1978, com aprovação da família, o general doou à Fusve (Fundação Educacional Severino Sombra) terreno, imóvel e pertences para serem transformado em Museu.

Em 08 de março de 2001, a Fusve inaugurou o Museu Severino Sombra, responsável pela guarda e conservação dos bens doados pelo general. Desde então, o local preserva a memória da Instituição e de seu fundador, general Severino Sombra de Albuquerque.

Em junho de 2012 o museu passou a ser denominado Casa de Memórias Severino Sombra, com o compromisso de zelar não só pelo acervo deixado pelo nosso fundador, mas também pela história que vem sendo construída pela Fundação Educacional Severino Sombra.

Nas dependências da CMSS são realizados cursos de artesanato social. Eventualmente são abertas inscrições para início de turmas para diferentes modalidades, com o intuito não só de qualificar mulheres para uma renda extra, mas também para fins filantrópicos.

Você conhece o Museu do Café na Fazenda São Luís da Boa Sorte? Se não conhece ainda, dá tempo de conhecer. Uma exclusividade da Fazenda são Luiz da Boa Sorte, o museu foi concebido para que a historia dos escravos na época dos Barões do Café fique preservada e seja contada por muitas gerações. Uma visita enriquecedora de cultura e conhecimento.

A fazenda fica na BR 393 entre Vassouras e Paraíba do Sul. Dá uma conferida:

https://fazendasaoluizdaboasorte.com.br/